Páginas

Descaminhos

O poema feito com precisão
de um segundo,
quando embargava no ônibus,
não explodiu
e se perdeu na trilha
entre a intuição e o papel.

Curta Viagem

A poesia quando sai a passear,
o passeio é uma curta viagem,
vai de ônibus do bairro
até o coração da cidade
e demora, quando demora,
igual a espera no ponto de ônibus,
menos de uma hora

(Volte-se ao poeta...)

No ponto de ônibus
o poeta (dez)atento rabisca
o seu olhar pra dentro.


Reciclagem Poética



 Velhos poetas, cabeças brancas, recitam
As poesias e poemas se reverenciam...
Andar pela memória é um caminhar pedregoso
Se ela, pois, revela as antigas hesitações

Velhos, claro, não hesitam tanto quanto jovens
Quando na mocidade. Quais rimas, quais versos
Amarguravam os agora cansados de trovas
Para fechar, quem sabe, um poema amante?

Troça

– "A poesia, por menor que seja, é imodesta!"
Poderia dizer Mário de Andrade
parodiando Caetano Veloso.

Quando Estive na Espanha com João Cabral

Quando, num sonho, viajei pela Espanha
para conhecer João Cabral de Melo Neto,
poeta Pernambuco, Severino, Recife,
constatei que o sonho era coisa estranha

Estranhei que as parlendas espanholas
não tinham rimas, nem quebra-línguas,
menos ainda histórias de toureiros
em arenas sangrentas de saciar gritos

Mapa Guia

A poesia é calma
Embora sem valor
tem sentido, rumo
e guia o poeta
de mãos dadas
neste e noutros poemas.

Bolsa de Valores

O Pantanal da poesia
de Manuel de Barros
tem outro valor – valor literário –
e não se negocia nas bolsas de valores...

– Ainda assim não despenca.

Inverno


A poesia mesmo com frio
sente calma ao exalar do vento
por entre trilhas do rio Pantanal.

O frio em Mato Grosso
não vence as queimadas...

Do Entardecer


Ao entardecer de nossa lida
A poesia assume um novo tom
Às vezes nem tão poético
Esquecida de novos
E velhos compromissos.




Poema Menor

Estou em casa descansando
Após doze meses regulamentares
A poesia indecisa não saiu de férias

Ela insiste em abrir a fonte
E despejar inspirações de roldão
Mostrando-se dos sentidos
Os quais ligam o sentimento à razão

Poema Roubado

Um dia, sempre, fiz um poema roubado
Fixo em esclarecer: não sou nenhum
Drummond de Andrade ou Manuel Bandeira
E nunca fui ao Porto de Fernando Pessoa

O poema roubado ou furtado não é crime
É bom deixar consignado ao desatento
Leitor, qual possa pensar em perdas, danos
Ao sistema literário local ou intermunicipal

Do Ar e da Terra

Do ar, sabe-se, respira a poesia
Não a poesia concreta
que salta do asfalto
porém a tênue poesia
que muito das vezes se perde
em teorias tolas que provocam
mas não provam da essência...